AnálisesTextos

Review | The Disney Afternoon Collection

A década de 80 e 90 está sempre voltando à tona. Seja em filmes, como Mad Max, seja em séries, como as referências oitentistas em Stranger Things e, por que não, nos jogos. Pensando nisso, a Capcom decidiu resgatar a sua vibe de jogos de aventura dos anos 80 e 90 com The Disney Afternoon Collection, coletânea lançada em 18 de abril para PC, PS4 e Xbox One.

O título traz seis jogos clássicos da parceria entre a desenvolvedora e a Disney no fim dos anos 80 e começo dos anos 90, no NES: DuckTales (1989), DuckTales 2 (1993), TaleSpin (1991), Darkwing Duck (1992), Chip ‘n Dale Rescue Rangers (1990), and Chip ‘n Dale Rescue Rangers 2 (1993).

Disponíveis em suas versões originais, sem remasterização, estes títulos possuem como diferencial alguns modos adicionais de jogos. O primeiro é o Boss Rush, em que, como o próprio nome diz, resume-se em realizar apenas as batalhas contra os chefes. O segundo modo, já mais tradicional, é o famoso Time Attack, em que você precisa jogar o jogo todo no menor tempo possível. Ambas as novidades possuem placar de líderes para que você compare o seu desempenho com seus amigos. Ponto positivo para a coletânea que, com essas funcionalidades, acaba proporcionando mais fator replay dos jogos para os jogadores.

Além de não modernizar os títulos, The Disney Afternoon Collection dá outra dica sobre qual público é o seu alvo com este lançamento. O jogo apresenta também alguns extras como artes conceituais, comparativos entre as artes originais dos desenhos e as artes para os jogos, curiosidades sobre o desenvolvimento de cada título e também toda a trilha sonora de cada game, para você relembrar a genialidade que é a música tema da fase da Lua em Ducktales. Há também filtros gráficos para serem aplicados, possibilitando que você jogue com aspecto de TVs de tubo, por exemplo.

Dito isso, a coletânea, no entanto, tem pouco apelo para um público mais novo, que não tenha conhecido os jogos quando foram lançados. Afinal, mesmo que traga recursos que facilitem a jogatina, como o famoso save state dos emuladores e até mesmo a oportunidade de rebobinar as fases, em uma tentativa de deixar os jogos mais acessíveis para todos, não modernizar os títulos parece não ter sido uma boa ideia. Tudo dos jogos originais estão lá, inclusive os defeitos e bugs. Os controles pouco amigáveis e outros problemas podem afastar alguém nascido nos anos 2000 que, por ventura, quisesse tentar se aventurar pelos anos 80 e 90.

Mesmo assim, The Disney Afternoon Collection pode ser encarado como um enaltecimento da dificuldade de se produzir jogos nestas décadas. Em uma época em que o poderio tecnológico (ou a falta dele) e a limitação técnica barravam o desenvolvimento em determinado aspecto, a criatividade se sobrepunha e nos presenteava com jogos tão diferentes, mas que, ao mesmo tempo, apresentavam ótimos designs de fases.

 

[wp-review id=”5179″]

Este review foi produzido com uma cópia para Xbox One cedida pela Capcom.