AnálisesTextos

Review | Onimusha: Warlords

Onimusha: Warlords foi lançado originalmente em 2001 para PlayStation 2, sendo o primeiro jogo da plataforma a vender mais de 1 milhão de cópias no mundo. Logo após, tornou-se uma das séries de maior sucesso da Capcom, com diversas continuações lançadas no anos seguintes.

Nos últimos anos a Capcom vem trazendo coletâneas e remasters de jogos antigos (e também trouxe recentemente o excepcional remake de Resident Evil 2), fazendo com que jogos clássicos possam ser apreciados por uma nova legião de gamers, pelos saudosistas que jogaram na época do primeiro lançamento, e para aqueles que não puderam jogar à época.

Lançado em 15 de janeiro de 2019, a versão remasterizada se intitula apenas Onimusha: Warlords, e conta com versões para PlayStation 4, Xbox One, PC e Nintendo Switch.

A história de Onimusha se passa no Japão feudal, após a suposta morte de Nobunaga Oda. Você controla o samurai Samanosuke Akechi em uma missão para salvar a princesa Yuki, quando demônios invadiram seu castelo.

Na esteira do sucesso de Resident Evil, também da Capcom, o Onimusha original trouxe a mesma estrutura gráfica e de jogabilidade. Os cenários possuem câmeras fixas, com cenários pré-renderizados e apenas os personagens em 3D, e ao entrar em uma porta ou avançar para a próxima parte, a câmera é alterada para outro ponto de vista. Você precisará ir e voltar em diversos locais, em busca de itens que serão utilizados apenas posteriormente, Neste quesito, realmente se trata de um Resident Evil de Samurais.

A versão remasterizada trouxe uma leve melhoria nos gráficos, com aumento da resolução e a possibilidade de jogar nativamente em widescreen, bem como teve sua trilha sonora completamente refeita, melhorando consideravelmente a experiência com o jogo.

Mas a novidade mais bem vinda nesta versão é a atualização da jogabilidade. Explico: assim como os games Resident Evil antigos, a jogabilidade era aquela que chamamos de “tanque”, onde a movimentação é limitada a usar os direcionais para esquerda/direita para girar seu personagem no eixo de 360 graus, o direcional para cima faz seu personagem andar para frente e o direcional para baixo faz seu personagem andar para trás. Nesta versão remasterizada, a Capcom trouxe a jogabilidade 3D para o game. Ao comandar seu personagem com a alavanca analógica esquerda, seu personagem vai se movimentar para a direção que você apontar. Isso melhorou muito as batalhas, que se aproximam de um jogo tradicional de hack n’ slash. Caso queira utilizar a jogabilidade antiga, basta comandar seu personagem com o direcional digital de seu controle.

Mesmo nos dias de hoje, Onimusha funciona bem, traz diversão e te prende por suas mecânicas.

Apesar do game não ter sido lançado com preço full, a Capcom poderia ter trazido no game materiais extras, como forma de homenagear o legado da franquia, como fez com outros games (a coletânea de Mega Man X manda lembranças). Aliás, uma coletânea com todos os  games da série Onimusha não seria má ideia.

Quem sabe a Capcom tenha outros planos para a série, como um reboot ou trazer novas histórias do universo da franquia, e este remaster tenha servido apenas como aperitivo para ver a reação dos fãs?

[wp-review id=”11073″]

Este review foi produzido por meio de uma cópia de Xbox One gentilmente cedida pela assessoria de imprensa da Capcom no Brasil.

 

 

Gustavo Vegas
Últimos posts por Gustavo Vegas (exibir todos)