AnálisesTextos

Review | The Swords of Ditto

Você é capaz de acabar com o mal e derrotar Mormo? Você terá apenas uma chance!

Essa é a proposta de The Swords of Ditto, um jogo produzido pela One Bit Beyond e distribuído pela Devolver Digital, disponível para Playstation 4 e PC lançado em 24 de abril de 2018.

Logo de cara me vi sentado no sofá tomando meu guaraná, comendo pipoca e assistindo Cartoon Network, um jogo lindo, colorido, muito dinâmico e animado, com uma visão superior estilo anos 90, mas está errado aquele que ache isso um ponto fraco, a equipe de produção gráfica fez um ótimo trabalho nesse jogo!

Maldição dos 100 anos

Ditto era uma cidade pacata, um lugar bom de se viver, quando Mormo e sua horda de monstros a invade e ali coloca sua maldição, e a única forma de se livra dela é com a espada de Ditto.

O jogo começa quando Puku, um simpático, porém muito ansioso e falador escaravelho, lhe acorda, explica sobre a maldição e Mormo, indica para ir até o cemitério e pegar a espada. Assim que você toma posse dela se transforma na espada de Ditto. Puku fala que você está pronto para enfrentar a bruxa e te leva para o confronto que finalmente acabará com a maldição.

Nesse primeiro confronto você morrerá obrigatoriamente, então 100 anos se passam e controlando um outro personagem, Puku lhe acorda e se repete toda a introdução, porém no final da conversa ele te dá 2 dias para se preparar para o confronto e você recebe uma missão adicional, destruir os 2 diamantes azuis que enfraquecem a bruxa e assim deixar mais fácil o confronto.

Uma das coisa que me chamou a atenção nesse jogo é o tempo, quando o jogo lhe fala 2 dias, você perceberá o tempo realmente passando, manhã, tarde, noite e madrugada, inclusive o jogo possui equipamentos e selos que beneficiam atributos envolvendo a noite ou o dia, mas vou deixar mais pra frente para falar disso.

Confesso que não achei esses benditos diamantes azuis nos 2 dias propostos e nem tampouco consegui vencer a Mormo, e adivinhem o que aconteceu? Sou acordado pelo Puku, controlando outro personagem, e como se nada tivesse acontecido novamente explica sobre o jogo, é quase que um texto decorado para aqueles que não acelerarem as conversas.

Por falar em conversa, elas acontecem somente por textos em balões, e como disse acima, com o botão de ação é possível correr as conversas.

A partir da segunda derrota para Mormo, o jogo aumenta de 2 dias para 5 dias, isso ajuda, mas não pense que facilita, The Swords of Ditto é um jogo moderado no quesito dificuldade, isso porque você tem apenas uma vida, e não importa se você morre para a bruxa ou para os mobs, a maldição percorrerá 100 anos e você nascerá em outro personagem e sendo acordado pelo Puku. São 3 níveis de dificuldades, fácil, normal e difícil. Eu joguei no normal, e confesso que não encontrei muita facilidade não.

A cidade Ditto

Aqui é outra ponto que me deixou muito satisfeito, Ditto é uma cidade muito bem trabalhada, e bem povoada também, você encontrará mercados e barraquinhas para comprar alimentos que aumentam sua vida e melhoram equipamentos temporariamente, uma loja de selos, que trazem benefícios, loja de brinquedos, que são equipamentos que você usará para atacar, como por exemplo, arco e flecha, e também será possível melhorar seus brinquedos e um templo onde no decorrer do jogo você coleta pergaminhos que complementam a lore do jogo.

A população de Ditto e também de sua redondeza tem muito a oferecer, alguns complementando a história com fatos, e outros solicitando side quests, mas lembre-se, você tem 5 dias para achar os diamantes, se equipar e fazer as quests, os únicos lugares que o tempo pausa é na cidade e nas cavernas, use isso a seu favor.

O mapa do jogo não é grande, divididos em quadrantes a serem percorridos, porém, contudo, entretanto, todavia, ao recomeçar, o mapa se apaga, até porque, não é a mesma pessoa que acordou, lembra? E para ajudar, ele muda algumas localizações e inclusive o caminho que você irá percorrer.

Tem um monstro, uma espécie de gosma cor de rosa que bloqueia as passagens, e você só consegue matá-lo batendo no olho, então, você precisa dar uma “pequena” volta para chegar do outro lado.

RPG bem completo

Para os amantes de RPG, assim como eu, é um jogo que vocês irão desfrutar bastante. Os selos e os equipamentos lhe proporcionam uma infinidade de propostas táticas de como enfrentar os monstros, e claro, a bruxa, reforçando que essas modificações não são nada muito exageradas, e nem que isso lhe faça alguma falta se não os possuir, mas existem muitos jogos no mercado intitulados RPG que não possuem a variedade que esse jogo tem.

Vamos começar pelos selos, você consegue adquirí-los de 2 formas: comprando na lojas de selos, ou coletando como recompensa em quests, escondidos dentro de caixas vindas do mar ou em baús dentro de cavernas.

Podendo ser equipado um em cada parte do corpo, cabeça, pernas, mãos e corpo, e seus benefícios são relacionados com o local equipado, 5% defesa equipando na cabeça, 8% de hp equipando no corpo, 10% de ataque equipamento na mão, e assim vai.

Os brinquedos são as armas, você começa o jogo com uma pistola d’água, que não causa dano, mas pode ser usada para ativar mecanismo a longo alcance ou como também, chamar um monstro por vez para não juntar um gang beast e você morrer à toa.

Você pode obtê-los comprando na loja de brinquedo, mas tome cuidado, não será sempre que encontrará o arco e flecha disponível para compra.

Como a maldição percorre 100 anos entre um personagem e outro, você encontrará itens diferentes nas lojas da cidade, inclusive a localização das lojas será outra.

E uma coisa muito importante a ser levada em conta, e que pra mim, é um dos pontos negativos desse jogo, você não carrega nada que comprar ou coletar, ou seja, se você morrer, irá recomeçar apenas com a espada, a arma d’agua e 3 itens consumíveis para recuperar seu hp. Tudo bem que eu amo a franquia Dark Souls, mas lá não tem tempo para zerar o jogo né?!

NPC’s

Sei que já disse acima dos moradores de Ditto, mas existem mais NPC’s e muito importantes para quem quiser realmente se preparar para o confronto com a Mormo.

Tem um NPC no Farol perto do praia que você usa para abrir as caixas que vem do mar, tem um que lhe libera itens perdidos, mas que das vezes que eu fui, ele não se lembrava onde tinha guardado (Lol), outro que imbui melhorias na sua arma, mas que pede alguns minérios específicos.

E tem aqueles que lhe oferecem side quests também, um que me chamou a atenção foi um pinguim que pede que eu localize seus filhos.

A impressão que eu tive jogando esse jogo é que, é improvável conseguir tudo nos 5 dias propostos, cheguei a pensar em ficar morrendo propositalmente para ver se aumentava para 10 dias pro confronto, ou sei lá, chegar nos 30 dias …. (mentira…Lol)

Os comandos são particularmente básicos, ataque e rolamento, no canto superior esquerdo terá 4 atalhos que você poderá configurar como quiser, eu usei para comida, arco e flecha, tocha e outro para arma d’água.

 

[wp-review id=”8496″]

Este review foi produzido com uma cópia do jogo para PS4 cedida pela assessoria de imprensa da Devolver Digital no Brasil.

Vitor Santos
Últimos posts por Vitor Santos (exibir todos)