ArtigosTextos

Vale a pena comprar um Nintendo Switch em 2020?

O ano de 2020 já começou e enquanto a maior parte das atenções da comunidade estão voltadas ao lançamento dos consoles da nova geração como PS5 e Xbox Series X, a Nintendo se posicionou em conversa com acionistas e afirmou não ter planos para lançar um novo Nintendo Switch este ano. Esse anúncio pode ser a informação que faltava para muitas pessoas que estavam em dúvida sobre comprar ou não o console. Afinal, vale a pena comprar um Nintendo Switch em 2020?

O console da Nintendo, lançado em 2017, é sucesso de vendas pelo mundo e dá sinais que ainda terá vida longa de suporte de investimentos por parte da empresa japonesa. Nesse artigo vamos avaliar alguns dos principais destaques da plataforma e discutir sobre algumas das críticas que o console acumula em seus quase 3 anos de vida.

A experiência Switch

A aposta da Nintendo para a atual geração foi de criar um console híbrido, que fosse um videogame portátil, mas também possibilitasse ao jogador ter a experiência de jogá-lo como console de mesa. E nesse ponto a Nintendo cumpriu o prometido. A experiência de alternar entre os dois modos de jogo e a capacidade do console de entrar em modo standby instantaneamente, preservando o progresso do jogador funciona perfeitamente. Vale lembrar que visando preservar bateria, o processador tem desempenho menor no modo portátil, comprometendo muitas vezes um pouco de resolução ou efeitos gráficos, que tem impacto minimizado por estarem sendo exibidos em uma tela muito menos que a de um aparelho de televisão.

Outro atrativo do console é a possibilidade de destacar os controles da tela e ter 2 joysticks disponíveis para uma partida de 2 jogadores. A funcionalidade é boa para jogos curtos pois os controles minúsculos rapidamente incomodam e não permitem ao jogador desempenhar da melhor maneira como faria em um controle “padrão”, como de PS4 ou Xbox One.

Mesmo jogando no modo portátil ou sozinho com os joycons destacados da tela, para mim os controles são o ponto mais baixo do console. Não há uma posição muito confortável para se jogar por muito tempo e os botões de ombro são difíceis de serem acessados naturalmente. Além disso, a falta de um D-PAD compromete, tendo apenas 4 direcionais fixas para controlar os personagens em jogos de luta ou plataforma.

Desde o lançamento do console a Nintendo enfrenta problemas de fabricação em alguns joycons e isso até hoje não foi solucionado. O caso é ainda mais grave na versão LITE do console, em que os controles não são destacáveis e praticamente inutilizando o console caso o defeito apareça.

Os jogos da plataforma

Imagino que o principal motivo para se comprar um Nintendo Switch seja a sua biblioteca de jogos. E não somente os exclusivos first party da Big N. Inclusive, ao anunciar que não pretende lançar uma nova versão do Switch em 2020, a empresa dá indícios claros que está apostando alto nos jogos para manter o console relevante e gerando lucro durante todo ano.

Super Smash Bros. Ultimate é sucesso de vendas para o Nintendo Switch

Alguém que compre hoje um Nintendo Switch terá a disposição uma lista de jogos excelentes e dos mais variados gêneros. De acordo com o último relatório financeiro da Nintendo, considerando os resultados do último semestre de 2019 (de abril/19 até setembro/19), 75% das vendas dos jogos na plataforma são de jogos first party e títulos mais vendidos foram:

  1. Mario Kart 8 Deluxe – 19.01 milhões
  2. Super Smash Bros. Ultimate – 15.71 Milhões
  3. Super Mario Odyssey – 15.38 Milhões
  4. Zelda: Breath of the Wild – 14.54 Milhões
  5. Pokemon Let’s Go Pikachu/Eevee – 11.28 Milhões
  6. Splatoon 2 – 9.28 Milhões
  7. Super Mario Party – 7.59 Milhões
  8. Super Mario Bros U Deluxe – 4.59 Milhões
  9. Super Mario Maker 2 – 3.93 Milhões
  10. Link’s Awakening – 3.13 Milhões

Em razão do meu gosto pessoal, só a lista acima já é motivo suficiente para ser convencido a ter um Nintendo Switch, pois são jogos exclusivos do console ou remasterizações de jogos de Nintendo Wii U. Além desses títulos destaco outras excelentes produções para o console, tais como: Pokémon Sword and Shield, Luigi’s Mansion 3, Fire Emblem: Three Houses, Donkey Kong Tropical Freeze, Mario + Rabbids Kingdom Battle, Mario Tennis Aces, Splatoon 2, Astral Chain e Bayonetta 2.

Se isso tudo não bastasse, vale destacar que o Nintendo Switch tem recebido suporte de estúdios 3rd parties e grandes empresas como Blizzard, Ubisoft e Capcom tem lançado muitos de seus jogos no híbrido da Nintendo. É bem verdade que muitas vezes são ports ou versões com qualidade gráfica reduzida para rodarem em um hardware muito mais modesto que os dos consoles rivais e PC.

Se o jogador possuir somente o Nintendo Switch vai poder de alguma forma desfrutar de jogos populares como Diablo 3, The Witcher 3, Dark Souls, Overwatch, DOOM ou de diversos títulos da série Assassin Creed ou Resident Evil. Até mesmo a Microsoft tem feito acordos com a Nintendo e jogos como Cuphead e Ori and the Blind Forest chegaram recentemente ao console.

Outro aspecto positivo da biblioteca de jogos do Switch é a oferta de games indies ou jogos, que até pouco tempo atrás, somente eram acessíveis aos jogadores de PC por meio da Steam. Além de produções independentes reconhecidas como Celeste, Hollow Knight, Return of Obra Dim, Hot Line Miami, Katana Zero, The Messenger, Downwell, Undertale, SteamWorld Dig e Shovel Knight: Treasure Trove, a loja online da Nintendo está inundada de outros títulos desconhecidos e de todos os gêneros imagináveis. “O Switch não tem jogo” não pode ser utilizado como argumento em nenhuma hipótese.

Mas e os preços?

Uma das reclamações mais frequentes da comunidade diz a respeito sobre o preço dos jogos na plataforma, especialmente para nós brasileiros que pagamos o preço de uma conversão de moeda que chega a ser desleal. A Nintendo criou uma loja BR para venda de jogos digitais no país e fez um acordo com algumas varejistas para venda de códigos em lojas físicas, para que o consumidor possa parcelar a compra de seus jogos.

Embora não seja muito frequente, a Nintendo realiza algumas promoções de seus grandes títulos, que chegam a custar algo em torno de R$170. Apesar de ainda ser um preço proibitivo para muita gente, já é melhor do que os R$249 praticados por padrão para os jogos de 60 dólares e melhor ainda do que os abusivos R$400 cobrados por lojas de Shopping Center que atuam no mercado cinza de importação. Jogos indies como Hollow Knight e The Messenger podem ser frequentemente adquiridos por preços na faixa de R$20 na loja BR.

É importante comentar que a sua conta de usuário Nintendo não tem trava de região, o que permite que o jogador faça compras em diferentes eShops ao redor do mundo. Sites como o SaveCoins ajudam a localizar a loja com preço mais barato no dia. Me recordo de títulos como Super Mario Odissey sendo lançados por R$210 na EShop da África do Sul. Considerando o tempo de duração e extensão da maioria dos principais títulos do console, considero que é possível ter sempre algum título interessante pra jogar sem precisar passar aperto. Porém concordo que em tempos de Game Pass e promoções localizadas para o Brasil por parte de Sony e Microsoft, a Nintendo ainda oferece muito pouco ao seu consumidor.

Promoções de títulos 3rd parties são bastante frequentes e no momento de publicação desse texto era possível comprar excelentes jogos com preços mais acessíveis como Crypt of NecroDancer ($3,75), Yokus Island Express ($6,66), Mario + Rabbids ($12,84), Crash Bandicoot N. Sane Trilogy ($18), Resident Evil Revelations ($9,88), Okami HD ($11); Starlink ($23) e Dragons Dogma ($20). Uma busca por títulos em promoção me retornou mais de 15 jogos custando menos que 1 mísero dólar e outras 2 dezenas de jogos custando menos de 7 dólares.

Nintendo Online

Meses atrás eu publiquei aqui mesmo no Multitap um vídeo análise do serviço Nintendo Online, que em resumo permite ao jogador participar de jogos online, salvar seu progresso na nuvem e ter acesso a uma biblioteca de jogos de NES e Super NES. Infelizmente o tempo passou, nada mudou de maneira significativa e minha análise continua atual. O sistema ainda carece de um chat por voz e diversas funcionalidades que são comuns em outras plataformas. O preço mais vantajoso é de R$79 por ano e para mim atualmente só está valendo a pena pois é o que me permite jogar o exclusivo Tetris 99.

Essas foram algumas considerações que gostaria de compartilhar com os leitores do Multitap e queria saber também a sua opinião. Deixe nos comentários o que você acha sobre o console da Nintendo e o que espera do Switch para 2020. Já temos confirmado para esse ano os lançamentos de Animal Crossing: New Horizons, Axiom Verge 2, Bravely Default 2, DOOM 64, DOOM Eternal, No More Heroes 3, Minecraft Dungeons, Streets of Rage 4, The Outer Worlds, Persona 5 Scramble, Xenoblade Chronicles e ainda aguardamos pelo anúncio das datas de Bayonetta 3 e a sequência do premiado Legend of Zelda: Breath of the Wild.

João Paulo Carrara